Babysitter em Marinha Grande: Liliana
> 1 anoexperiência
28Idade

Olá, o meu nome é Liliana!

Olá O meu nome é Liliana, já lido com crianças desde os meus 16 anos . Já tive oportunidade de tomar conta de gêmeos de 3 anos durante um ano e meio. Fiz colonias de férias, voluntariado numa escola de crianças com necessidades especiais, estágio numa escola privada (pré- escolar e creche). Sou dinâmica, responsável e tenho gosto no que faço.


Certificado de primeiros socorros
Não
Não fumador(a)
Sim
Carta de condução
Sim
Carro
Sim

Habilidades

Trabalhos manuais
Desenhar
Ler
Música
Línguas
Jogos

Tenho disponibilidade para/Estou à vontade com

Animais de estimação
Preparar refeições
Lides domésticas
Apoiar com trabalhos de casa

Disponibilidade

Do
Manhã
Tarde
Fim da tarde
Noite

Experiência com a faixa etária

Bebé
Criança (Creche)
Criança (Pré-escolar)
Criança (Ensino Básico)
Adolescente

Sobre mim como babysitter

Sexo
Feminino
Tem filhos
Não
Local de babysitting preferido
Na casa da família
Línguas nas quais posso fazer babysitting
  • Português
Educação
  • Licenciatura
Especialidades
  • Muita paciência
  • Brincar

Atividade

Membro desde
Fevereiro 2020
Última atividade

Tem Liliana

Endereço de email

0 Avaliação

Quando tiver contactado este utilizador, a sua avaliação aparecerá aqui.


Localização

Babysitter em Marinha Grande, Marinha Grande, Leiria

Partilhe este perfil

7,00 €/hora
Valor por hora

Está a realizar um pedido de curto prazo. A babysitter poderá não ter tempo suficiente para responder. Recomendamos que verifique sempre a última atividade e o tempo médio de resposta das babysitters.


7,00 € x 1h
7,00 €

Contactar Liliana
7,00 €/hora
Valor por hora
Precisamos da sua ajuda!
Estamos a fazer um apelo a todos os profissionais de cuidados infantis qualificados para se inscreverem e atualizarem a sua disponibilidade na plataforma Babysits. Ler mais
Queremos ajudar aqueles que estão trabalhar incansavelmente nesta crise e que podem necessitar de babysitters qualificados neste momento: médicos, enfermeiros, farmacêuticos e todos os que continuam a trabalhar para manter os serviços mínimos.
Devem ser seguidas as orientações fornecidas pelas autoridades locais.